14/07/2017 10:00

Canção Amiga: Espaço do Conhecimento UFMG recebe exposição que conta trajetória do Clube da Esquina

Nas décadas de 1960 e 1970, a amizade se mostrou capaz de produzir muito mais que um forte vínculo afetivo. Belo Horizonte foi o cenário onde jovens amigos surpreenderam o Brasil com novos rumos para a canção popular. Reunido em torno de Milton Nascimento, o grupo ficou conhecido como Clube da Esquina, levando ao topo da cena artística brasileira músicos como Márcio Borges, Fernando Brant, Wagner Tiso, Ronaldo Bastos, Lô Borges, Beto Guedes, Toninho Horta e Tavinho Moura. No dia 14 de julho, sexta-feira, o Espaço do Conhecimento UFMG retoma essa história, que marcou o país, com a abertura oficial da exposição Canção Amiga – Clube da Esquina.

A nova mostra convida os visitantes a um contexto de importantes transformações políticas, culturais e sociais, no qual uma nova musicalidade foi criada a partir da fusão de tendências, a princípio, irreconciliáveis: bossa nova, samba, jazz, rock, os sons da América Hispânica e as tradições do interior mineiro com fortes traços da cultura negra. Essa mistura é visível na exposição, que explora a consolidação do Clube da Esquina no cenário artístico nacional, de 1972 a 1978, período que compreende o lançamento dos discos Clube da Esquina e Clube da Esquina 2.

Canção Amiga é resultado das pesquisas do Centro de Referência da Música de Minas UFMG, um trabalho de pesquisa interdisciplinar que investiga as sonoridades produzidas e em circulação no estado. A exposição ocupa o segundo e o quinto andares do Espaço. No Planetário, haverá a exibição do filme Entre Discos e Esquinas. Na Fachada Digital, uma projeção exibe depoimentos de artistas do Clube da Esquina.

A mostra é a primeira a desenvolver uma trilha sonora específica. Professores e alunos da Escola de Música da UFMG, coordenados pelo professor Mauro Rodrigues, desenvolveram arranjos que serão ouvidos ao longo da exposição. As gravações contaram com a participação de Toninho Horta, Tavinho Moura, Túlio Mourão e Titane.

Canção Amiga – Clube da Esquina fica em cartaz até setembro.

 

Amizade: o fio condutor do Clube da Esquina

A UFMG abriga o acervo do Museu Clube da Esquina há dois anos. Em breve, será possível consultar todo o material online. O trabalho, assim como a exposição, é fruto de uma ação colaborativa. Profissionais de várias áreas se encontraram, durante esse período, para estudar o Clube da Esquina. A partir das análises de letras e músicas, assim como do contexto histórico no qual estavam inseridos os artistas, foram levantados e discutidos os temas mais recorrentes tratados pelos artistas: amizade, viagens, cidades, natureza, infância, transcendência, contexto político e utopias.

 

Os jovens músicos conviviam com um país governado pelo medo e a restrição da liberdade. A riqueza cultural e artística contrastava com a censura e a repressão política. As canções do Clube da Esquina apresentam novas ideias, princípios e valores que envolviam a esperança de experimentar algo novo e adverso àquela realidade.

 

O que é o Clube da Esquina?

Não há um consenso entre pesquisadores sobre o que é, exatamente, o Clube da Esquina. Para uns, são os dois LPs, produzidos em 1972 e 1978 e conduzidos por Milton Nascimento, com a participação de diversos músicos e compositores mineiros. Para outros, trata-se de um movimento mais sistemático, que tem início em Minas Gerais, mas se espalha pelo Brasil e pelo mundo.

 

As principais características do Clube são os temas das letras das músicas, como amizade, utopia de um mundo melhor, natureza e os espaços rural e urbano, além da singularidade das melodias, das harmonias e dos arranjos. A multiplicidade sonora e a diversidade cultural marcam grande parte do desenvolvimento artístico e a originalidade da trajetória do Clube da Esquina.

 

Informations additional

Place:

Espaço do Conhecimento UFMG

Address

Praça da Liberdade, 700, Funcionários, BH.

Time

10h00

Date

De 14/07 until 30/07

Price:

Gratuito